"E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que me fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

quarta-feira, 3 de março de 2021

Expedições em Natalândia revelam parte do rico patrimônio espeleológico da região

Texto: Daniel Menin e Leda Zogbi

Entre os dias 13 e 20 de Fevereiro de 2021 foi realizada mais uma expedição espeleológica na região de Natalândia. O município está localizado no Noroeste do Estado de Minas Gerais, a 585km de Belo Horizonte, 266 de Brasília e 998km de São Paulo. 

A expedição foi organizada voluntariamente pela espeleóloga Leda Zogbi. Contou com a participação de diferentes grupos de espeleologia (Meandros, EBG e Bambuí) e apoio do poder público local cedendo estrutura para acampamento e instalação das equipes. A viagem teve como objetivo dar andamento em uma topografia iniciada em 2020 e documentar outras cavernas da região. 

Entre as descobertas, destaca-se a caverna do Alto da Serra, uma gruta de amplas salas e uma ressurgência subterrânea. Sem referências espeleológicas, a caverna já era conhecida e visitada pela população local. Atenção especial também para a abundância de pinturas rupestres na entrada de algumas cavidades (incluindo o conhecido sítio arqueológico de Columbia (Iphan-MG) e às interferências na Lapa da Pantera, que além de pinturas em sua entrada foi possível encontrar vestígios de mineração rudimentar. 

A região de Natalândia possui um relevo cárstico exuberante, com afloramentos verticalizados  entre uma paisagem de matas e fazendas de criação de gado. 

A geologia regional, é atribuída ao período Pré-Cambriano, pertencentes ao supergrupo São Francisco, Bambuí, Paranoá e Subgrupo Paraopeba (COMIG, 2003 apud XAVIER, 2008). Os carbonatos fazem parte, na sua maioria, do Subgrupo Paraopeba, pertencente ao Grupo Bambuí, cuja deformações datam do Proterozóico inferior (540 milhões de anos). A região representa relevante acervo de informações arqueológicas em sítios de superfície, abrigos e em cavernas (XAVIER, 2008). Em uma gruta de Unaí (Caverna do Gentio) foi descoberta uma múmia de 3.500 anos, o que pode nos revelar importantes partes sobre a ocupação humana na região (UIANET, 2019).

Análises de satélite revelam que a região tem potencial para muitas outras expedições, com áreas ainda inexploradas do ponto de vista espeleológico. 

Os valores histórico, cultural, paisagístico e científico também são evidentes, o que pode estimular novos estudos no contexto de geoconservação, manejo, investigações científicas e educação ambiental.

Outras viagens deverão ser organizadas em breve para dar continuidade nas topografias em andamento, documentação e novas prospecções.


Referências:

XAVIER, Leandro Augusto Franco. Arqueologia do Noroeste Mineiro: análise de indústria lítica da bacia do Rio Preto-Unaí, Minas Gerais, Brasil. 2008. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

UIANET - Conheça Acauã, a múmia unaiense de 3.500 anos. 2019. Disponível em: https://unainet.com.br/conheca-acaua-uma-mumia-brasileira/ 

Fotos: Daniel Menin, Rafael Grudka e Leda Zogbi

Mais informações no site do Meandros Espeleoclube.

Uma das fotos mais marcantes: a ressurgância na Caverna do Alto da Serra

Afloramentos verticalizados são uma característica do carste da região (Foto Leda Zogbi).

Ampla sala de abatimento na Caverna do Alto da Serra

Ampla sala de abatimento na Caverna do Alto da Serra. Até o presente momento, a caverna de maiores volumes da região.

Caverna do Alto da Serra e algumas salas bastante ornamentadas.


Trilha de acesso à caverna, uma íngrime descida margeando o paredação da ressurgência


Uma das entradas na Caverna 6 Bocas. Além da entrada, é possível observar na imagem um jardim suspenso sobre uma clarabóia.

A mesma entrada (Caverna 6 Bocas) pela perspectiva interna.


Interior labiríntico da Lapa da Pantera. Grande concentrações de guano e labirintos em diferentes níveis tornam o mapeamento deste setor da caverna um desafio.

Ossos encontrados no interior da Lapa da Pantera. Provavelmente uma vaca acidentada entre grandes blocos próximo à entrada.

Pinturas rupestres no sítio arqueológico da Caverna Columbia, em Unaí. A entrada e os paredões estão repletos de pinturas e vestígios da ocupação humana.

Painel de pinturas na Caverna Columbia. Os desenhos se encontram em diferentes níveis e alguns deles mais afastados e escondidos.


Condutos labirínticos na Lapa da Pantera revelam contatos e mergulhos do carbonato.

Vestígios de mineração rudimentar encontrados no interior da Lapa da Pantera. Mesmo os condutos mais distantes da entrada sofreram intervenções para extração de algum material.

Condutos labirínticos na Lapa da Pantera.

Parte dos espeleólogos no final de um dia de mapeamento.

Topografia formando rede de condutos labirínticos também representa um desafio para o mapeamento.


quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Gruta do Mandembe

No último dia 03 de Janeiro de 2021 estivemos em uma rápida incursão em Luminárias (MG), na Gruta do Mandembe. O objetivo da viagem foi a realização de alguns registros audiovisuais para o 36 Congresso Brasileiro de Espeleologia. Mapeada Pela União Paulista de Espeleologia (UPE), a Gruta do Mandembe tem 244m de desenvolvimento e menos de 20m de desnível. Trata-se de um conduto vadoso principal com algumas cachoeiras e um pequeno tributário de recarga em uma das laterais. A caverna faz parte de um complexo de pequenas grutas de Quartzito da região. Na ocasião, encontramos uma colônia de andorinhões em seu interior. Durante a atividade pudemos também realizar algumas fotografias realizando assim também o registro fotográfico da caverna e suas feições morfológicas.
Relevo da região, com leves desníveis e algumas matas ciliares.

Uma das entradas da caverna


Percurso principal com algumas corredeiras, cachoeiras e um conduto fóssil

Condutos paralelos e um lago subterrâneo

A sucessão de quedas proporciona também alguns lagos internos

Cachoeira perto de uma das entradas

Amplo conduto