"E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que me fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

segunda-feira, 11 de julho de 2022

Descobertas das cavernas do Diabo e Laje Branca revelam potencial das escaladas subterrâneas

Por Daniel Menin

Entre os dias 26 e 30 de Abril foi organizada mais uma expedição ao Alto Vale do Ribeira. Os objetivos da viagem se dividiram entre trabalhos na Unidade de Conservação do PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira) e no Parque Estadual da Caverna do Diabo (CAD).

No PETAR os trabalhos se concentraram em uma visita de documentação na Caverna Ouro Grosso e na continuidade das explorações verticais de mapeamento na Caverna Laje Branca, realizada pelo grupo de espeleologia Meandros. Nesta última, uma escalada realizada em um conduto afluente levou a equipe a galerias ainda inexploradas e de difícil acesso, mas com relevantes trechos descobertos e mapeados. Um conduto ativo se desenvolve afastando-se da caverna em um ângulo que varia entre 40 e 60 graus de inclinação. Trechos amplos e com vento indicam que novas descobertas estão por vir em viagens futuras para continuidade do trabalho. Toda a subida foi realizada com o uso de equipamentos de escalada artificial sendo muito difícil a progressão sem estes recursos. Participaram da escalada os espeleólogos Daniel, Maria, Allan Calux, Thiago Lima e o norte americano John Fioroni da The Cave Exploration Society, de Boston.

Outra atividades realizada foi de documentação fotográfica na Caverna Ouro Grosso, no contexto de projeto de inventário e geração de materiais de comunicação científica e educação.

Croquis de parte do conduto escalado na Caverna Laje Branca (PETAR)

Um dos garrafões na Caverna Ouro Grosso documentados durante a atividade

Na caverna do Diabo (Gruta da Tapagem)

Já no Parque Estadual da Caverna do Diabo as atividades foram de continuidade do trabalho de mapeamento conduzido pelo Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas. Com o mapa desenhado, sobraram algumas possibilidades de exploração em pontos de escalada e trechos de maior dificuldade de acesso. A viagem se concentrou em 4 pontos, escalando partes no Lago do Silêncio, a parede do Salão Meca, uma lateral no conduto de rio e um salão superior cuja entrada é visível a partir do Delta 8. As primeiras escaladas não renderam continuidades relevantes, mas a última levou à descoberta de um novo salão para a caverna.

Embora a entrada estivesse visível a quem passasse pelo local, o salão descoberto não estava em nenhum mapa anterior e sequer haviam traços de visitas anteriores. Provavelmente por conta de seu acesso ser bastante difícil, aparentemente acessível apenas através de uma escalada em negativo. 

Após estudar possíveis rotas de acesso, a equipe decidiu investir por um caminho lateral, em uma escalada mais fácil, e então acessar o conduto pelo lado, através um corrimão.  A estratégia foi bem sucedida e o salão topografado na tarde do dia 01 de Maio.  Estavam na escalada 2 espeleólogos do Bambuí (Daniel e Maria) e um do Grupo Mandurí (Maurício), além de uma equipe de apoio formada por mais 2 espeleólogos (Priscila, do Bambuí e Eduardo, Mandurí).

A primeira parte da escalada foi realizada livremente pelo Maurício, com segurança a partir de baixo. Uma vez acessada uma parede vertical e com poucos apoios, o percurso foi concluído por mim (Daniel) com o uso de equipamentos de escalada artificial (furadeira, parabolts e multimontes). 

Pouco a pouco a Caverna do Diabo deve somar mais alguns metros em sua Projeção Horizontal, hoje com 8.650m.

Novas viagens devem ser organizadas pelo Grupo Bambuí tanto para a continuidade das pendências na Caverna do Diabo quanto na Caverna Laje Branca, entre outras frentes abertas na região no Lajeado e em Bulha D'água, PETAR.


Croquis do salão "Maumandú", descoberto após escalada na Caverna do Diabo.

Perfil do novo salão. O ponto de escalada foi a partir do Delta 8, visível à direita do croquis.


 

quinta-feira, 3 de março de 2022

Desequipagem do Abismo Los Tres Amigos




Entre os dias 26/02 e 01/03 foi organizada mais uma viagem à região de Bulha D’água, no PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira), em SP. 

O objetivo principal da viagem era desequipar o Abismo Los Três Amigos, caverna em exploração desde 2006 pelo Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas com apoio de espeleólogos de diferentes grupos.

O abismo é atualmente a 11ª caverna de maior desnível do país. Compreende a uma caverna com condutos e salas de grandes proporções, mas acessadas apenas por vias verticais. Um conjunto de poços dão acesso a galerias de grandes proporções com um conduto fóssil de abatimento e outro de rio, a cerca de 200m de desnível da única entrada conhecida.

Durante estes anos, ambas as extremidades foram exploradas e toda caverna topografada com a publicação do mapa em 2019. Entretanto, permanecem algumas possibilidades de continuação por passagens estreitas entre blocos e através de possíveis escaladas ao longo da gruta.

Diante das dificuldades de acesso a estas possibilidades foi tomada a decisão de retomar os esforços por fora da caverna, retirando as cordas de seu interior e buscando alternativas de uma outra entrada. Embora esta decisão tenha sido tomada há algum tempo, a saída para retirada das cordas foi atrasada algumas vezes por conta da pandemia.

Com a ausência de atividades na caverna, as trilhas estavam fechadas, o que atrasou em algumas horas a entrada da equipe no abismo. O primeiro dia da viagem, antes planejado para aumentar a estada na caverna, acabou sendo usado apenas na mata para abrir caminho em uma tentativa frustrada de encontrar a gruta. No dia seguinte os espeleólogos encontraram a caverna e deram início ao planejamento da viagem. Mesmo atrasando em quase um dia a atividade, 4 espeleólogos permaneceram por 27h dentro da caverna. Durante os trabalhos, além da desequipagem também foram realizadas fotografias em alguns grandes salões e corrigidos detalhes de croquis no mapa anterior.

Devido ao volume de todo equipamento retirado, parte das cordas permaneceu guardada em uma sala de fácil acesso à 40m de desnível. O equipamento será removido em uma próxima atividade a ser organizada com esta finalidade.

O Abismo Los Tres Amigos foi descoberto em 2006 e desde então representou um grande desafio para sua exploração e mapeamento. Fotos, história e mapa podem ser encontrados no Atlas do Brasil Subterrâneo (Rubbioli et al. 2019) e em uma publicação no ANAIS do 35º Congresso Brasileiro de Espeleologia (Menin, 2019). Os relatos de praticamente todas as saídas podem ser encontradas aqui neste site (buscando pelo nome do Abismo na área de pesquisa) e Blogo do Iscoti.


Conduto de abatimento com grande volume é uma constante na caverna. Cerca de 30m abaixo encontra-se o atual conduto ativo de rio.
Conduto de abatimento com grande volume é uma constante na caverna. Cerca de 30m abaixo encontra-se o atual conduto ativo de rio.

Nesta imagem observam-se os 2 níveis mais profundos da caverna: um grande conduto de abatimento e a descida para o conduto de rio, 30m abaixo.

Um dos pontos mais icônicos da gruta é esta grande cortina. Com mais de 25m de comprimento e cerca de 3m de diâmetro, é uma das maiores cortinas conhecidas no Brasil.

Nesta imagem observa-se a grande cortina e um chuveiro. A cerca de 30m abaixo encontra-se o conduto ativo de rio.


Da esquerda para a direita: Maria Souza, Daniel Menin, Thomaz R e Silva (Vagalume) e Lucas Padoan (Rejeito).
    

Referências:

RUBBIOLI, E., AULER, A. S., MENIN, D.; BRANDI, R. Atlas do Brasil Subterrâneo. Brasília: Editora IABS, 2019.

MENIN, D.S. Seria o abismo Los Três Amigos a última grande caverna em exploração?. In: ZAMPAULO, R. A. (org.) CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA, 35, 2019. Bonito. Anais... Campinas: SBE, 2019. p.185-189. Disponível em: <http://www.cavernas.org.br/anais35cbe/35cbe_185-189.pdf>. 

Conexão Subterrânea Edições #47 e #56

Blog do Iscoti: https://iscoti.wordpress.com
Revista O Carste: bambui.org.br



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2022

Decreto 10.935/2022, uma ameaça às cavernas mais importantes do país

Gruta do Janelão (Daniel Menin, 2020)

Não é de hoje que as cavernas brasileiras correm perigo. Em alguns locais específicos (como no na cidade de São Desidério ou em Ourolândia na Bahia, e no PETAR, em SP) longas brigas judiciais têm segurado empreendimentos que comprovadamente ameaçam cavernas de extrema relevância no país.

Mas uma comunidade espeleólógica e científica relativamente forte têm atuado em parceria com órgãos governamentais e, desde a década de 80, se mobilizado para criar e evoluir regulamentações que permitem a exploração econômica sem comprometer o patrimônio natural espeleológico. Foram décadas de inúmeras discussões, workshops, reuniões e grupos interdisciplinares de trabalho para se chegar ao que hoje é tido como uma das mais avançadas regulamentações para conservação do patrimônio espeleológico. 

Lavra de calcário sobre a Caverna Toca dos Ossos (Ourolândia, BA). A caverna repleta de fósseis é uma das maiores do país. Teve condutos depredados por mineração até se tornar área de proteção ambiental.


Entretanto, nos últimos anos, temos vistos agressivas e constantes tentativas de derrubada das regulamentações de proteção. Um retrocesso sem precedentes na história da gestão do meio ambiente em nosso país.

Em 2019 uma ação do MME (Ministério de Minas e Energia) buscou alterar os Decretos  Federais n.º 99.556/1990 e n.º 6.640/2008 que dispunham da relevância e da proteção das cavernas brasileiras. Na ocasião a Sociedade Brasileira de Espeleologia, com ajuda de toda comunidade espeleológica, criou uma campanha de conscientização e alerta da sociedade. Chamou atenção da grande mídia que acabou veiculando matérias sobre o assunto barrando temporariamente o retrocesso.

Recentemente, outra tentativa ainda pior (o Decreto 10.935/2022 assinado pelo presidente da república) coloca por terra todo o trabalho feito até agora na proteção das cavernas e abre brechas para a supressão completa de cavernas, mesmo que sejam as mais importantes do país.

Perceba: as cavernas são como máquinas do tempo. Guardadas em suas galerias subterrâneas estão milhares de anos de nossa história climática, da ocupação humana, da mega-fauna e de inúmeros processos geológicos que nos ajudam a entender o passado, o presente e o futuro. É um universo que está aos poucos sendo descoberto e conhecido pela comunidade científica brasileira. Universidades, grupos de espeleologia e institutos de pesquisa realizam uma ciência de ponta, o que tem reconhecido destaque internacional. Não há empreendimento público que justifique a destruição deste legado único que a natureza nos deixa.

Diante deste retrocesso, uma nova mobilização está em curso. São espeleólogos de todo país, cientistas, técnicos, turismólogos, condutores ambientais, e moradores locais que clamar por atenção ao problema e derrubada integral deste decreto.

Você também pode ajudar: Assine a petição pública contra o decreto.  Compartilhe notícias. Chame atenção da sociedade, da mídia, do poder público, de todos àqueles que você tem acesso.

Vamos proteger esse recurso não renovável de conhecimento da nossa história e da história da Terra.


Video oficial da Sociedade Brasileira de Espeleologia em combate ao Decreto 10.935/2022


Live com especialistas do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas sobre o Decreto


Edição do Fantástico sobre a ameaça que o Decreto representa às cavernas

Arguição de Descumprimento de Preceito Funda. - ADPF em face do Decreto 10.935/2022 sobre cavernas


terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Você gosta de vídeos sobre espeleologia?

De Daniel Menin

Recentemente um vídeo impactante tem sido compartilhado na internet alertando sobre os riscos que o Decreto 10.935/2022 representa às cavernas brasileiras. Trata-se de uma produção independente e voluntária, organizada pela SBE (Sociedade Brasileira de Espeleologia), para que toda comunidade espeleológica se mobilizasse para chamar atenção da sociedade ao problema.

Acontece que nos últimos anos uma porção de vídeos sobre cavernas têm sido produzidos e publicados sem que hajam campanhas de divulgação, os deixando às margens do conhecimento mesmo entre os próprios espeleólogos.

Alguns deles são coleção de videos educativos, outros divulgam técnicas, outros contam histórias de explorações e descobertas e, outros ainda, difundem de maneira bem humorada campanhas de conscientização e histórias da espeleologia.

Para organizar parte deste material resolvi juntar os vídeos que trabalhei e publicar em uma única página, além do canal de Youtube cujo conteúdo é misturado com outros temas.

Abaixo segue portanto meu portfolio de vídeos, incluindo diferentes projetos. São mais de 20 títulos, alguns mais antigos (de 2006 em diante), mas que contam parte das atividades também descritas aqui neste site. Clique na imagem para visitar.




quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Rede Taqueupa, Caverna de Santana, SP




A Rede Taqueupa compreende a uma sessão de salões superiores na caverna de Santana, no Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira (PETAR). A área foi descoberta em uma expedição chamada "Operação Tatus", em 1975, quando espeleólogos do grupo CEU (Centro Excursionista Universitário) estiveram por 15 dias dentro da caverna em atividades de permanência subterrânea, exploração e topografia.

Desde então, devido à sua beleza e fragilidade com poucos precedentes no mundo, o salão foi fechado para o turismo e recebe apenas visitas esporádicas com objetivos técnicos ou científicos.

A Caverna Santana é uma das principais cavernas do Alto Vale do Ribeira. Gerenciada pela Fundação Florestal do Estado de São Paulo, a região está dividida em 4 parques Estaduais: PETAR, Parque Estadual de Intervales (PEI), Parque Estadual da Caverna do Diabo (PECAD) e Parque Estadual Carlos Botelho (PECB). Um mosaico que junto abriga alguns dos mais importantes patrimônios espeleológicos e geológicos conhecidos no Brasil, além de grande parte da reserva de Mata Atlântica, com sua notória biodiversidade.

Patrimônio Ameaçado

Atualmente o PETAR, que abriga a maior parte das cavernas (incluindo a Caverna Santana), vem passando por um polêmico projeto de concessão para iniciativa privada e requer atenção especial da mídia, do poder público e da sociedade. É necessário um esforço para que se encontre - em conjunto - a solução que melhor atenda à população local incluindo seu desenvolvimento social e econômico e a conservação dos ricos recursos naturais.

A Caverna Santana, bem como muitas outras cavernas da região com seus rios, salões superiores e espeleotemas, ainda compreendem a um patrimônio natural e científico pouco explorado. Inúmeros outros "Salões Taqueupas" podem estar escondidos nesta e em outras cavernas. Nestes casos, não somente a beleza tem seu o valor, mas em muitos elementos subterrâneos (como as estalagmites, terraços e depósitos de sedimentos, por exemplo) estão gravadas parte da nossa história, incluindo dados sobre o clima, a geologia e vida na Terra. Conhecer esse patrimônio é certamente o melhor caminho para valorizá-lo e conservá-lo.

Sobre o vídeo e a pesquisa

O presente vídeo foi produzido em atividade de campo realizada em Novembro de 2021. Um projeto de pesquisa em inventário espeleológico para uso educativo e de comunicação científica, realizado pelo Instituto de Geociências (IGc-USP), vêm documentando parte do patrimônio espeleológico do Alto Vale do Ribeira. A equipe permaneceu 16h na caverna e os objetivos, além da documentação fotográfica, também foram de reequipagem e melhoria na segurança do acesso aos salões.

Esta atividade, bem como os outros campos no contexto de pesquisa, são apoiados pelo Instituto Florestal de São Paulo e pelo Conselho Técnico Espeleológico de São Paulo (COTEC).





Nota: Por favor, não reproduza imagens deste vídeo ou site sem o consentimento do autor e seus devidos créditos.

Abaixo segue um making off das fotos do vídeo anterior.
Obra do espeleólogo Eduardop Oliveira (Dudu).

 



quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do livro LUZES NA ESCURIDÃO Volume2 revela tesouros do MT e MS

Você certamente já ouviu falar de Bonito, da Serra da Bodoquena, de Nobres ou da Chapada dos Guimarães, certo? Mas você conhece os tesouros subterrâneos e submersos destes lugares?

Em 2017 foi realizada mais uma expedição internacional no Brasil. Espeleólogos e espeleomergulhadores do Brasil se uniram a fotógrafos da Espanha, França, Hungria e EUA e percorreram mais de 1.000kms entre os estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul registrando em suas lentes as cavernas mais ilustres destes dois estados. Abismo Anhumas e Gruta Azul, por exemplo, foram registradas por cima e por baixo d'água em imagens inéditas.

A obra acaba de sair da gráfica e será apresentada em uma sequência de eventos presenciais e online.

No dia 21 de Outubro, uma LIVE NACIONAL, em português em com fotógrafos e organizadores brasileiros no canal do Youtube do Luzes na Escuridão.



No dia 23 de Outubro acontecerá o lançamento presencial em São Paulo, com exposição de fotos e venda de livros.



Futuramente também teremos uma Live Internacional, com todos os fotógrafos e eventos de lançamento em outros estados. 

Para dar uma idéia da viagem, segue vídeo sobre o projeto com making off, imagens e depoimentos.

Mais informações sobre o projeto, fotos, videos e contato dos organizadores estão neste site.




segunda-feira, 5 de julho de 2021

Expedição de espeleomergulho desvenda conexões e novas galerias subterrâneas

 Uma recém terminada expedição de espeleomergulho no Brasil realizou grandes descobertas em consagradas cavernas brasileiras. Abaixo segue relato das atividades, fotos e um filme da viagem.

Foto: Alexandre Socci


Expedição EMB Bahia 2021

Dentro do Ano Internacional das Cavernas e do Carste, o Espeleo Mergulho Brasil - EMB realizou sua primeira expedição, no mês de  junho de 2021, onde oito cavernas foram exploradas ou retopografadas, na região de Iraquara e Morro do Chapéu, na Chapada Diamantina, no coração da Bahia.

Composta por três mergulhadores brasileiros, um austríaco e um francês, a equipe explorou e topografou sifões cujas linhas de trena (tomadas a partir de cabos guia, posto que se trata de mergulho) resultaram em mais de 4.000 m de condutos inéditos.

Na porção noroeste da Lapa Doce I, conhecida como Lapa Furada, em um sifão que foi batizado como “Jorge Lima”, em homenagem ao professor doutor Jorge Luiz Lopes da Silva, paleontologista da Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas, e ao saudoso Sr. Simpliciano Lima, pioneiro nas explorações da Lapa Doce, foram prospectados mais 1.300 m e o conduto submerso continua promissor à montante.

E na Gruta Brejões I foram de 2.000 m de novos condutos e identificou-se também um salão seco com 80 m de extensão em sua extremidade sul, à montante do rio Jacaré, o qual parece ser acessível somente por mergulho, e que batizado com “Salão Tão Só”.

A conexão subaquática entre as Grutas Brejões I e II, cunhada como “Conexão do Flávio” é, certamente, a contribuição do EMB de maior impacto para a espeleologia brasileira nesta expedição. A equipe aproveitou a oportunidade de sua visita nas Veredas Romão Gramacho para montar uma via de corda no topo da entrada principal da gruta Brejões I, com cerca de 120 m de altura, onde alguns integrantes efetuaram rapel e outros aproveitaram a oportunidade para completar o trajeto subindo de volta a via.

Adicionalmente, o EMB retopografou as partes alagadas das grutas da Pratinha e Azul (697 m), bem como dois sifões da Lapa Doce II (505 m), empregando moderno equipamento de topografia sub, o qual garante maior precisão nas medidas, assim como mais velocidade na aquisição de dados. Todos os dados de topografia obtidos estão sendo organizados e, em breve, serão enviados para os responsáveis pelos mapas das respectivas cavidades.

A expedição EMB BAHIA 2021 contou com o apoio fundamental da Comunidade Quilombola dos Brejões – Veredas Romão Gramacho, da Dominican Republic Speleological Society – DRSS, das Fazendas Lapa Doce e Pratinha, do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA, do Museu de Ciências da Terra do Serviço Geológico do Brasil – CPRM, da Sociedade Baiana de Espeleologia – SBAE, da Sociedade Brasileira de Espeleologia – SBE, da Sociedade Espeleológica Azimute – SEA e da World Adventure Society – WAS.

O Espeleo Mergulho Brasil é um coletivo de mergulhadores dedicado à exploração e mapeamento de porções alagadas de cavernas com vistas a ampliar o conhecimento do patrimônio espeleológico brasileiro.

Se você conhece alguma cavidade cuja exploração possa se beneficiar de uma equipe de exploração e mapeamento subaquáticos, entre em contato com o EMB. Envie uma mensagem em nossa página do Facebook @espeleomergulhobrasil

A Conexão do Flávio

A proposta de conectar as grutas Brejões I e II surgiu ainda no início do planejamento da expedição. Era o principal objetivo a ser alcançado nos Brejões. Após um período de alguns dias de exploração na região de Iraquara, a equipe se deslocou para os Brejões, onde dois dias de mergulhos foram planejados para atingir tal objetivo e contou com participação e apoio de membros da Sociedade Espeleológica Azimute – SEA.

Infelizmente não se conseguiu mergulhar nos sifões planejados nesses dois dias por dificuldades logísticas. Contudo foram explorados cerca de 1.300 m de novos condutos submersos na Brejões I, porém todos sifões afastados dos prováveis pontos de conexão.

A equipe voltou à região de Iraquara e após alguns dias ali, aproveitando o ensejo festivo de São João, surgiu a ideia retornar aos Brejões para fazer novas investidas de exploração e tentar mais uma vez um mergulho para buscar a conexão.

Uma vez que o tempo para a exploração e a tentativa da conexão seria limitado a apenas quatro dias em campo, foi feito um contato com o pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil – CPRM e também com espeleólogos do Grupo Bambuí, que forneceram importantes dicas para o reconhecimento prévio ao mergulho nos sifões da Brejões II, especificamente naqueles que possuíam maior potencial para serem os pontos finais da possível conexão entre as duas grutas. Durante essa investigação também foi identificado um sifão com grande potencial de mergulho no lado da Brejões I. Tal sifão foi batizado de “Sifão Bom”.

A aposta no “Sifão Bom” acabou rendendo os melhores frutos possíveis. Após uma sequência de dois mergulhos consecutivos no mesmo dia, a equipe acabou fazendo a conexão. No dia seguinte a equipe se deslocou até a Gruta Brejões II com o objetivo de localizar o cabo guia e a seta instalados durante o mergulho do dia anterior, e assim poder confirmar de fato a conexão entre as duas grutas. E finalmente, no último sifão da gruta Lapa dos Brejões II, batizado como “Sifão Distante”, o cabo e a seta foram identificados. 

Era oficial: as grutas Brejões I e II estavam conectadas por meio de um grande conduto subaquático que foi batizado como “Conexão do Flávio”, o qual conta com um cabo guia de 463 m de extensão – prestando assim uma singela homenagem à um grande amigo que partiu.

A conexão dos Brejões foi um grande sonho realizado pelo EMB em uma das mais icônicas grutas do nosso Brasil. Um único sistema, lapidado ao longo dos séculos pelo rio Jacaré.

Breves observações sobre a hidrologia da Gruta Brejões

Nos mergulhos realizados nos diversos sifões na Gruta Brejões I foram identificados o que parecem ser dois corpos d’água distintos, apesar de bastante próximos.

Tanto o “Sifão da Bicicleta” quanto o “Sifão do Cruzeiro”, localizados na porção sul da Brejões I apresentam águas escuras com matéria orgânica (possivelmente ácido tânico -  C76H52O46) e uma temperatura mais elevada de cerca de 25 ℃ a -30 m de profundidade e 22 ℃ dos -20 m até a superfície. Também verificou a presença de colônias de bactérias, em formatos de “algodões brancos”.

Já na “Conexão do Flávio”, que liga os sifões “Bom” e “Distante” entre as grutas Brejões I e II respectivamente, apresenta água marcantemente mais límpida, apesar do tom esverdeado, e temperatura mais baixa e constante da superfície até os -34 m de profundidade: cerca de 22 ℃. 

O intrigante reside no fato de que ambos corpos d’água não distarem mais do que 800 m um do outro. E apesar de próximos, devido às características descritas, inferimos que possam tratar de fontes diferentes. Assim há a necessidade de se realizar uma investigação detalhada para que essa observação de campo seja confirmada.


Foto: Alexandre Socci

Alexandre Dupont


Foto: Alexandre Socci


Foto: Alexandre Socci


Alexandre Dupont


Foto: Alexandre Socci

Vídeo com imagens da expedição


quarta-feira, 3 de março de 2021

Expedições em Natalândia revelam parte do rico patrimônio espeleológico da região

Texto: Daniel Menin e Leda Zogbi

Entre os dias 13 e 20 de Fevereiro de 2021 foi realizada mais uma expedição espeleológica na região de Natalândia. O município está localizado no Noroeste do Estado de Minas Gerais, a 585km de Belo Horizonte, 266 de Brasília e 998km de São Paulo. 

A expedição foi organizada voluntariamente pela espeleóloga Leda Zogbi. Contou com a participação de diferentes grupos de espeleologia (Meandros, EBG e Bambuí) e apoio do poder público local cedendo estrutura para acampamento e instalação das equipes. A viagem teve como objetivo dar andamento em uma topografia iniciada em 2020 e documentar outras cavernas da região. 

Entre as descobertas, destaca-se a caverna do Alto da Serra, uma gruta de amplas salas e uma ressurgência subterrânea. Sem referências espeleológicas, a caverna já era conhecida e visitada pela população local. Atenção especial também para a abundância de pinturas rupestres na entrada de algumas cavidades (incluindo o conhecido sítio arqueológico de Columbia (Iphan-MG) e às interferências na Lapa da Pantera, que além de pinturas em sua entrada foi possível encontrar vestígios de mineração rudimentar. 

A região de Natalândia possui um relevo cárstico exuberante, com afloramentos verticalizados  entre uma paisagem de matas e fazendas de criação de gado. 

A geologia regional, é atribuída ao período Pré-Cambriano, pertencentes ao supergrupo São Francisco, Bambuí, Paranoá e Subgrupo Paraopeba (COMIG, 2003 apud XAVIER, 2008). Os carbonatos fazem parte, na sua maioria, do Subgrupo Paraopeba, pertencente ao Grupo Bambuí, cuja deformações datam do Proterozóico inferior (540 milhões de anos). A região representa relevante acervo de informações arqueológicas em sítios de superfície, abrigos e em cavernas (XAVIER, 2008). Em uma gruta de Unaí (Caverna do Gentio) foi descoberta uma múmia de 3.500 anos, o que pode nos revelar importantes partes sobre a ocupação humana na região (UIANET, 2019).

Análises de satélite revelam que a região tem potencial para muitas outras expedições, com áreas ainda inexploradas do ponto de vista espeleológico. 

Os valores histórico, cultural, paisagístico e científico também são evidentes, o que pode estimular novos estudos no contexto de geoconservação, manejo, investigações científicas e educação ambiental.

Outras viagens deverão ser organizadas em breve para dar continuidade nas topografias em andamento, documentação e novas prospecções.


Referências:

XAVIER, Leandro Augusto Franco. Arqueologia do Noroeste Mineiro: análise de indústria lítica da bacia do Rio Preto-Unaí, Minas Gerais, Brasil. 2008. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

UIANET - Conheça Acauã, a múmia unaiense de 3.500 anos. 2019. Disponível em: https://unainet.com.br/conheca-acaua-uma-mumia-brasileira/ 

Fotos: Daniel Menin, Rafael Grudka e Leda Zogbi

Mais informações no site do Meandros Espeleoclube.

Uma das fotos mais marcantes: a ressurgância na Caverna do Alto da Serra

Afloramentos verticalizados são uma característica do carste da região (Foto Leda Zogbi).

Ampla sala de abatimento na Caverna do Alto da Serra

Ampla sala de abatimento na Caverna do Alto da Serra. Até o presente momento, a caverna de maiores volumes da região.

Caverna do Alto da Serra e algumas salas bastante ornamentadas.


Trilha de acesso à caverna, uma íngrime descida margeando o paredação da ressurgência


Uma das entradas na Caverna 6 Bocas. Além da entrada, é possível observar na imagem um jardim suspenso sobre uma clarabóia.

A mesma entrada (Caverna 6 Bocas) pela perspectiva interna.


Interior labiríntico da Lapa da Pantera. Grande concentrações de guano e labirintos em diferentes níveis tornam o mapeamento deste setor da caverna um desafio.

Ossos encontrados no interior da Lapa da Pantera. Provavelmente uma vaca acidentada entre grandes blocos próximo à entrada.

Pinturas rupestres no sítio arqueológico da Caverna Columbia, em Unaí. A entrada e os paredões estão repletos de pinturas e vestígios da ocupação humana.

Painel de pinturas na Caverna Columbia. Os desenhos se encontram em diferentes níveis e alguns deles mais afastados e escondidos.


Condutos labirínticos na Lapa da Pantera revelam contatos e mergulhos do carbonato.

Vestígios de mineração rudimentar encontrados no interior da Lapa da Pantera. Mesmo os condutos mais distantes da entrada sofreram intervenções para extração de algum material.

Condutos labirínticos na Lapa da Pantera.

Parte dos espeleólogos no final de um dia de mapeamento.

Topografia formando rede de condutos labirínticos também representa um desafio para o mapeamento.


quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Gruta do Mandembe

No último dia 03 de Janeiro de 2021 estivemos em uma rápida incursão em Luminárias (MG), na Gruta do Mandembe. O objetivo da viagem foi a realização de alguns registros audiovisuais para o 36 Congresso Brasileiro de Espeleologia. Mapeada Pela União Paulista de Espeleologia (UPE), a Gruta do Mandembe tem 244m de desenvolvimento e menos de 20m de desnível. Trata-se de um conduto vadoso principal com algumas cachoeiras e um pequeno tributário de recarga em uma das laterais. A caverna faz parte de um complexo de pequenas grutas de Quartzito da região. Na ocasião, encontramos uma colônia de andorinhões em seu interior. Durante a atividade pudemos também realizar algumas fotografias realizando assim também o registro fotográfico da caverna e suas feições morfológicas.
Relevo da região, com leves desníveis e algumas matas ciliares.

Uma das entradas da caverna


Percurso principal com algumas corredeiras, cachoeiras e um conduto fóssil

Condutos paralelos e um lago subterrâneo

A sucessão de quedas proporciona também alguns lagos internos

Cachoeira perto de uma das entradas

Amplo conduto