"E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que me fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

sábado, 21 de novembro de 2020

De volta à Paripiranga e Uauá

 Uma nova expedição à Paripiranga e Serra do Uauá foi realizada em Novembro de 2020. Os objetivos eram principalmente dar continuidade à coleta de dados de campo para pesquisas paleoclimáticas e topografar uma caverna encontrada na última viagem. Também foram mapeadas as cavernas do Cazuza e o Abismo do Meio do Morro do Parafuso, em Paripiranga. Ambas já conhecidas e parcialmente estudadas, mas ainda sem mapas.

Devido aos cuidados decorrentes da pandemia, um grupo reduzido de espeleólogos participou das atividades e a equipe buscou estar isolada, principalmente no município de Uauá. Um relatório de pesquisa e geoconservação referente às cavernas da região foi gerado e disponibilizado para a prefeitura, uma vez que as cavernas estão dentro de uma unidade de conservação, o Parque Municipal da Serra do Jerônimo.

As cavernas até o momento mapeadas pelo projeto são: Grutas do Jerônimo I e II (Uauá), Absimo do Meio do Morro do Parafuso e Caverna do Cazuza. 

O projeto é coordenado pelo Instituto de Geociências da USP e conta com o apoio de espeleólogos do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas (GBPE) e do Grupo Mundo Subterrâneo de Espeleologia (GMSE).

Vista de dentro da caverna Jerônimo II

A caverna do Jerônimo II está localizada no meio de um paredão rochoso no contato entre Ferro Bandado (BIF) e rocha Carbonática o que atribui à gruta um alto interesse geológico e científico. 



Marcas de extração de salitre, usada para produção de pólvora na caverna Jerônimo II, demonstram o valor histórico regional da caverna.


Espeleotemas corroídos provavelmente por biocorrosão.


Cúpolas e amplas salas com acúmulo de guano são características da caverna.






Análises químicas realizadas dentro da Caverna do Bom Pastor (Paripiranga)





quinta-feira, 15 de outubro de 2020

O retorno à Bulha D'água

Aos poucos vamos retomando nossas atividades espeleológicas. 

Nos dias 11 e 12 de Outubro demos andamento aos trabalhos do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas na região de Bulha D'água, em São Paulo. A atividade foi autorizada e seguiu as normas de orientação de segurança publicadas em Diário Oficial para atividades de pesquisa na região.

Os trabalhos realizados foram de registro fotográfico na caverna Buenos I, coletas de aranhas e pendências topográficas na Buenos IV. Esta última com mapeamento quase pronto, entretanto fazia-se necessário realizar uma conexão de uma grande sala fóssil com o conduto ativo de rio.

No Sabado a atividade decorreu sem nenhum problema e foi relativamente fácil, com fotografias e coletas em condutos freáticos da caverna Buenos I. Já Domingo, não somente pelas dificuldades normais de progressão na caverna, mas principalmente pela topografia e lances verticais a atividade foi mais longa e cansativa. Parte da equipe ficou no apoio enquanto outra parte buscava entre desmoronamentos e lances verticais, um bom caminho para se chegar ao rio. A passagem correta foi encontrada somente no período da tarde o que fez o tempo de atividade se prolongar. Após equipagens e topografia de parte do conduto freático, a equipe iniciou seu retorno chegando na casa de pesquisas às 23h30. Segunda-feira, feriado em São Paulo, foi dia de organização e lavagem de equipamentos.


Maior lance vertical que dá acesso ao rio
Equipes Sábado de manhã.

Marcas de onças pelo caminho: uma constante nesta região.

Conduto freático da caverna Buenos I

Entrada - Buenos I

Ossos recentes próximo à uma claraboia

Chuveiro em conduto freático da caverna Buenos I

Conduto freático da caverna Buenos I

Animais por todo lado, ainda bem!

Conduto freático da caverna Buenos IV.
Com um pouco de esforço, é possíve ver a corda ao fundo.


Como sempre, as trilhas estavam escorregadias.

"Máquina de lavar cordas"

Bulha é Bulha: nem tatu de kichute caminha tranquilo. 

Salões superiores
Salas superiores com claraboias e acúmulo de sedimentos (Caverna Buenos I)


Domingo, 23h30. É assim que saímos da caverna!


quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Parte Michel Le Bret


Por Daniel Menin

Mais um nome da história na espeleologia Brasileira nos deixa.

Eu não tive a oportunidade de cavernar com Michel Le Bret. Por ironia, quando ele esteve no Brasil para sua última expedição em grutas, eu estava na sua terra natal, a França.
Mas tempos depois eu tive a felicidade de lhe fazer uma visita e ser muito bem recebido em sua casa, no Vale do Loire. Ele e sua esposa tiveram o cuidado de preparar um almoço brasileiro, com arroz e feijão e de por um dia todo falar português comigo. Passeamos por seu museu, pelo jardim e por parte de sua fazenda de búfalos. Empolgado, ele contava histórias de seus anos vivendo no Brasil.

Até então eu o conhecia apenas pelo livro "Maravilhoso Brasil Subterrâneo" e o admirava muito. A obra me inspirou e me fez viver com ele grandes aventuras de descoberta e exploração em cavernas que eu conhecia bem: Abismo da Paçoca, Areias, Agua Suja, entre outras também em São Paulo e Goiás.

Michel foi fundador da SBE - Sociedade Brasileira de Espeleologia e explorou algumas das mais consagradas cavernas do nosso país. Era um exímio croquista e, como algumas vezes explorava as cavernas sozinho, mapeava à sua maneira desenhando a caverna de memória.

O corpo de Michel se foi para os subterrâneos, mas posso arriscar que sua alma também continua debaixo da terra, explorando as cavernas brasileiras.

A Edição 412 do Informativo SBE Notícias publica uma série de textos em homenagem à Michel. Você pode ter acesso ao informa através do site ou entrando em contato comigo.



Michel em seu museu pessoal.

Meu pai, Michel, sua esposa e eu em sua casa (2005)


"Não saia do carro, os búfalos são bravos", disse ele para nós.

Croquis em planta e perfil da caverna Paçoca, feito por Michel em 1967. Uma das histórias mais emocionantes do livro "Maravilhoso Brasil Subterrâneo"e que me inspirou a remapear e continuar suas explorações nesta caverna anos mais tarde.


sexta-feira, 19 de junho de 2020

Grupos realizam ações solidárias para ajudar condutores ambientais



A crise sanitária e econômica em que se encontra o Brasil, desde março de 2020, demanda solidariedade de cada um e da sociedade como um todo. O Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas (www.bambui.org.br; CNPJ 21.945.100/0001-60) por seu protagonismo nos estudos espeleológicos, apresenta-se como agente efetivo buscando minimizar a carência conjuntural dos condutores (guias / monitores) de cavernas turísticas que, via de regra, não têm emprego formal e dependem desta atividade, hoje fechada ao público. Nesse contexto, iniciamos uma campanha de arrecadação de recursos para alguns grupos de condutores, em especial, na primeira fase, para aqueles que atuam na Chapada Diamantina, Iraquara-BA. São 31 guias que representam em torno de 140 familiares diretos. Contamos com sua doação e ajuda na divulgação desta iniciativa.

É super fácil contribuir. Basta entrar no site abaixo e através de QR codes vc consegue escolher a região que deseja ajudar e já faz sua doação. Os grupos estão organizando a entrega para as pessoas.

Visite o site do projeto NESTE LINK.

sábado, 6 de junho de 2020

I Simpósio Brasileiro Virtual de Espeleologia - SBVEspeleo

No dia 06 de Junho de 2020 aconteceu o 1˚ Simpósio Brasileiro Virtual de Espeleologia - SBVEspeleo. Organizada pela Espeleonordeste - Sociedade Nordestina de Espeleologia, uniu um dia inteiro de conteúdo em forma de palestras e debates virtuais sobre espeleologia.

E o melhor é que este conteúdo todo fica gravado para poder ser acessado a qualquer hora, por qualquer pessoa democratizando o conhecimento sobre a espeleologia.

Se você perdeu alguma palestra, visite o canal no Youtube da Espeleonordeste.


quinta-feira, 4 de junho de 2020

Matéria da TV de Uauá sobre as pesquisas realizadas na Gruta do Jerônimo

A TV local da cidade de Uauá veiculou recentemente uma matéria produzida durante expedição realizada no Parque Municipal da Serra do Jerônimo, em Uauá, Bahia. Na matéria, espeleólogos falam sobre o projeto e a importância da caverna para a ciência e a conservação.


segunda-feira, 18 de maio de 2020

Campanha de proteção às cavernas brasileiras

Uma campanha coordenada pela Sociedade Brasileira de Espeleologia tem conquistado espaço não somente entre espeleólogos e especialistas, mas também na imprensa.

No domingo, dia 17 de Maio, foi ao ar uma matéria na TV Cultura no programa Reporter Eco com especial atenção às ameaças que esta mudança unilateral representa. O programa foi todo construído na quarentena, utilizando em boa parte fotos e filmagens do projeto Luzes na Escuridão.

Além do programa de televisão, a SBE acaba de colocar no ar um hotsite agrupando de maneira organizada todas as informações necessárias para que qualquer pessoa conheça e entenda a magnitude do problema. No site também é possível ter acesso e baixar documentos técnicos e jurídicos que apoiem qualquer tomada de decisão.

Visite, participe e ajude a protejer as cavernas brasileiras!


www.protejacavernas.com.br


domingo, 3 de maio de 2020

O que fazer na quarentena?

Pois é...
Estamos já há um mês em quarentena e pelo que tudo indica ficaremos por mais um bom tempo sem poder fazer aqui que mais gostamos: cavernar.
Neste meio tempo, espeleólogos do mundo todo estão inventando coisas criativas e produtivas de dentro das suas casas para promover a espeleologia e também a proteção das cavernas.
Todos os dias aparecem Lives com especialistas das mais diferentes disciplinas envolvendo cavernas para compartilhar seus conhecimentos. Programas inteiros de cursos online estão surgindo e - talvez - difundindo a espeleologia como nunca. Abaixo apresento algumas destas iniciativas.

STAY HOME LUZES NA ESCURIDÃO.
Uma sequência de vídeos criativos de espeleólogos de diferentes países sobre uma só mensagem: fique em casa. Abaixo um filme completo que contempla 3 episódios. Para assistir mais vídeos do projeto visite o site Luzesnaescuridao.com.br




LIVES com especialistas.

Abaixo uma entrevista bastante completa do Espeleometria em Foco com o espeleólogo Ezio Rubiolli, do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas;


Alguns grupos de espeleologia, como o EGRIC (Espeleo Grupo de Rico Claro) também entrou na onda digital e tem realizado lives sobre difersos sema a respeito da espeleologia


Além destes materiais, universidades como a USP - Universidade de São Paulo, através do IGC  - Instituto de Geociências, vêm desenvolvendo programas de aulas extracurriculares abertas à alunos, monitores ambientais e interessados sobre cavernas. Assuntos como espeleolgênese, geologia cárstica, história, exploração, fotografia, biologia são abordados todas as semana, às terças-feiras, com um especialista no tema.

PROTEÇÃO ÀS CAVERNAS
A SBE - Sociedade Brasileira de Espeleologia também está se movimentando bastante no mundo digital para dar o máximo de visibilidade e atenção à campanha de proteção às nossas cavernas. Trata-se de uma reação ao texto do MME - Ministério de Minas e Energia de alteração dos decretos 99.556/1990 e 6.640/2008), que dispõem sobre a proteção das cavernas existentes no território nacional. Caso seja aprovado, o texto coloca em risco cavernas até de máxima relevância. A SBE publicou uma carta de posicionamento e vêm investindo em diferentes meios de comunicação digital para dar visibilidade ao tema. Veja aqui maiores informações, bem como o que você pode fazer para ajudar.

Se você está realizando alguma outra iniciativa online envolvendo a espeleologia e quer incluir nesta lista acima entre em contato!




domingo, 26 de abril de 2020

Alteração de decretos ameaça cavernas brasileiras



A elaboração de uma minuta por parte do MME (Ministério de Minas e Energia) prevê a alteração de dois decretos (99.556/1990 e 6.640/2008), que dispõem sobre a proteção das cavernas existentes no território nacional. 

A comunidade espeleológica brasileira vêm demonstrando preocupação, uma vez que a alteração foi proposta de maneira unilateral (sem a participação da sociedade) e representa séria ameaça à cavernas de máxima relevância.

Uma recente carta da Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE) procura se posicionar e alertar autoridades nacionais e internacionais sobre os impactos irreversíveis que esta mudança pode representar.

Uma petição no Avaaz foi criada para chamar a atenção de autoridades.

Clique AQUI para assinar.

Para conhecer esta carta e saber mais sobre as mudanças, visite o site da SBE.




quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Caverna do Jerônimo, Uauá, Bahia


(Texto e fotos: Daniel Menin)


Localizada no topo da serra junto a um mirante, a Caverna do Jerônimo faz parte do Parque Municipal da da Serra do Jerônimo, na cidade de Uauá, norte do estado da Bahia.
Entre os dias 07 e 15 de Dezembro de 2019 de uma expedição organizada pelo Laboratório de Estudos do Carste do Instituto de Geociências da USP (IGc), com apoio do Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas (GBPE) e do Grupo Mundo Subterrâneo de Espeleologia (GMSE), esteve no local realizando pesquisas e a topografia da caverna.
Cadastrada pelo Grupo Bambuí há mais de duas décadas e mesmo sendo destino turístico conhecido na região, a caverna até hoje permaneceu sem um mapa produzido.
Com grandes salas e muitos espeleotemas, a gruta que, atualmente tem visitação controlada por um portão, já foi palco de extração de salitre e apresenta muitos sinais de depredação. Mesmo assim, ainda dispõe de relevante beleza cênica, além dos valores científico, histórico e cultural.

O mapa recém produzido foi fornecido às instituições locais, à biblioteca da SBE e estará disponível para estudos e pesquisas de interesse público.



A caverna tem como característica grandes salada e relevante valor estético.



Muitos espeleotemas apresentam morfologia rara, com sinais de intemperismo.
Restos mumificados de um quadrúpede

Em muitas partes da caverna observa-se sinais de depredação com estalagmites e colunas quebradas

Local de antiga extração de salitre, provavelmente um dos motivos das depredações encontradas.

Sala com grande acúmulo de guano (fezes de morcego).
  
Grande coluna com muito desgaste de intemperismo.