“E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Gouffre la Belle Louise - França


Cidade: Montrond le Château;
Departamento: Doubs;
Saída em estágio junto a EFS de aperfeiçoamento em técnicas ligeiras.
Dia 16 de julho de 2005

Segunda saída com objetivo de utilizar as técnicas leves (Thecnique Legeres) em equipagem vertical. Após termos aprendido em teorias e também termos posto em prática em um ambiente real agora o objetivo foi de equipar e desequipar um abismo inteiro utilizando apenas estas novas técnicas.
O Abismo de La Belle Louise é uma linda cavidade. A entrada é por uma fenda onde observamos várias possibilidades de descida por 2 principais lances separados por um platô. Póximo à entrada tinha uma placa informando sobre a possibilidade de “crue” (tromba d´água) em dias de chuva forte. Estávamos preparando os equipamentos quando um senhor chegou com um trator e disse ter visto na meteorologia a previsão de fortes chuvas durante a tarde. Resolvemos a partir desta informação não seguir até o fundo do abismo mas equipar somente os primeiros e principais lances até atingir um pequeno conduto de “teto baixo” onde em caso de “crue” poderíamos ficar presos. A equipe, como da primeira vez foi formada por mim, Jackie e a instrutora Delphine (sabe muito essa mulher!). Fizemos 2 equipagens descendo em paralelo até o fundo dos principais lances. Jackie equipou o lado principal enquanto eu fui procurar uma descida lateral pelo menor acesso. Com muitos blocos instáveis acabei não encontrando amarragens seguras ao longo do platô e acabei subindo para equipar uma via próximo à de Jackie porém pela lateral do abismo. Como eu havia preparado uma ficha de equipamentos a partir da topografia, desta vez o trabalho foi muito mais organizado e de bons resultados que na primeira saída de técnicas ligeiras. Utilizei bastante os cordeletes de alta resistência de dynemmas e os AS e atingimos nossos objetivos sem maiores problemas. Após vários lances chegamos a uma área onde 2 garrafões paralelos se encontram e pasamos por uma espécie de janela entre eles. Maravilhoso esse abismo!. Como estávamos preocupados com a possibilidade de chuvas então deixamos o almoço no carro, para voltarmos antes. Comemos uma pequena barra de cereais no fundo destes lances e iniciamos nossa subida. A instrutora Delphine desceu pela minha via fazendo algumas correções necessárias e subiu pela via da Jackie também corrigindo eventuais imperfeições. Saindo do abismo comemos na grama, próximo do carro, revimos nós e teorias de amarragens ligeiras e voltamos para o alojamento. E a chuva..... essa nem apareceu...

Um comentário:

Felipe Sanchez disse...

Vcs ssão um bando de loucos !!!!