“E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Expedição Toca da Boa Vista - Janeiro de 2015

Em Janeiro de 2015 estivemos mais uma vez nas entranhas da maior caverna do Brasil: a Toca da Boa Vista.

A expedição, organizada pelo Grupo Bambuí de Pesquisas Expeleologicas, contou com 19 equipes, que em 9 dias topografou cerca de 4,3km de novas galerias. Além dos abismos e longínquos condutos do "Fim de Mundo" (área mais remota da caverna), também foram mapeadas conexões e condutos em aberto em diversos setores do mapa. 

O tamanho da TBV está crescendo e suas dificuldades também: As regiões com maior potencial de exploração na gruta encontram-se no "Fim de Mundo", a cerca de 2 a 3 horas de caminhada da entrada mais próxima. O calor sufocante (média de 33 graus) e a ausência de água pelo caminho faz com que os espeleólogos consumam de 3 a 6 Litros por pessoa por dia, exigindo uma verdadeira logística na administração da água carregada para dentro da gruta. Outro agravante é a morfologia: Em muitos condutos do "Fim de Mundo", as continuações se dão por níveis inferiores acessados através de abismos de 20 a 30m, o que exige o transporte de equipamentos extras e cuidado extremo.

Além da Boa Vista, as equipes também estiveram em outras cavernas da região - como Toca da Barriguda - onde foram delimitadas áreas de proteção e caminhamento a fim de proteger partes frágeis das cavernas.

Há mais de 20 anos o grupo Bambuí mantém trabalhos de exploração e mapeamento da Caverna Toca da Boa Vista, bem como outras cavidades da região. Com esta expedição, a TBV passa a ter 111km, aumentando sua distância entre outras cavernas Brasileiras.



                                            (Fotos: Daniel Menin - Toca da Boa Vista e Toca da Barriguda, 2015)













Um comentário:

Anônimo disse...

Fantastic pictures! May I use them in a presentation about Toca da Boa Vista? I am a masters student at the University of Minnesota, working in collaboration with Dr. Augusto Auler. You can contact me at: wendt095@umn.edu

Thanks!